Acupuntura pode ser eficaz no tratamento da dor

acupuntura

Geralmente associamos a Acupuntura ao tratamento da dor, apesar de sua ação ser muito mais ampla, sendo também indicada para outras doenças físicas e distúrbios psíquicos. Essa associação se deve ao grande número de casos de dor crônica tratados com bons resultados pela terapia. Apesar disso, a comunidade científica costuma ignorar e considerar esses resultados como fruto do efeito placebo, como se a influência do acupunturista sobre o paciente fosse a principal responsável pelo sucesso do tratamento.

Nas últimas duas décadas, alguns cientistas têm se dedicado à pesquisa para aumentar a aceitação da acupuntura nos meios acadêmicos convencionais. Um revelador trabalho recente, publicado no “The Journal of Alternative and Complementary Medicine”, em dezembro de 2014, demonstra o mecanismo de como a Acupuntura trata a dor. Usando Ressonância Magnética Funcional, 14 voluntários foram submetidos à uma dor provocada por estímulos elétricos, de intensidade tal que provocasse alterações nos centros do cérebro onde a dor é processada.

Essa dor provocada gerou imagens nas Ressonâncias Magnéticas. No entanto, essas imagens desapareceram após a aplicação de agulhas de Acupuntura em determinados pontos indicados para o tratamento da dor, mesmo enquanto o estímulo elétrico doloroso era mantido. Os exames repetidos após a cessação da Acupuntura e do estímulo doloroso mostravam que esses centros cerebrais da dor não exibiam alterações. Quando, por outro lado, os voluntários recebiam o estímulo da dor e não recebiam a Acupuntura, esses mesmos centros cerebrais associados à percepção da dor permaneciam alterados por muito tempo.

O estudo demonstra a efetividade da Acupuntura no tratamento da dor, aquilo que já era sabido por milhões de acupunturistas e pacientes há muito tempo. No entanto, essa comprovação científica abre caminho para que novas pesquisas sejam realizadas com as outras assim chamadas “medicinas alternativas”, como a homeopatia, a fitoterapia, os Florais e o Reiki, por exemplo. E, mais importante, abre caminho para que esses recursos terapêuticos possam ser incorporados ao rol de tratamentos disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pelos planos de saúde, tornando-os acessíveis a todos aqueles que buscam um tratamento eficaz, humanizado e com poucos efeitos adversos.

QUE TIPO DE DOR A ACUPUNTURA TRATA?
A Acupuntura é eficaz para todo tipo de dor. Pessoas que sofrem com fibromialgia beneficiam-se muito do tratamento com as agulhas, assim como dores nas costas, sejam quais forem suas causas. Atualmente, os hospitais mais modernos têm acupunturistas para tratar a dor de pacientes com câncer. Dores causadas por esforço repetitivo também são aliviadas ou mesmo abolidas com o uso da Acupuntura. Esses são alguns poucos exemplos de como a terapia é um recurso inestimável no tratamento da dor.

MAS AS AGULHAS NÃO CAUSAM DOR?
O curioso é que muitas pessoas evitam a Acupuntura por medo de sentir dor com as agulhas. Mas a verdade é que quase todos os pacientes não sentem incômodo com a introdução das agulhas, por elas serem extremamente finas. Geralmente, as pessoas dizem que a sensação é como se tivesse repuxado o local na hora a aplicação. Eu tenho uma paciente de mais de 80 anos que comenta que suas amigas a consideram muito corajosa por fazer Acupuntura, devido à dor, e ela sempre ri e garante que não sente nada com as agulhas.

A Acupuntura é indicada em qualquer idade, mesmo crianças pequenas podem receber as agulhas, embora não gostem muito. Grávidas podem fazer Acupuntura, e é bom lembrar que os resultados são excelentes para os enjoos da gravidez. Tudo isso sem efeitos colaterais, com exceção de possíveis e raros sangramentos minúsculos nas picadas.

A experiência com a Acupuntura nos países ocidentais, inclusive o Brasil, vem trazendo mais segurança aos pacientes da sua eficácia em diversas afecções que nos causam sofrimento, expandindo o número de pessoas satisfeitas com os seus resultados.

 

Artigo originalmente publicado na revista online Personare.

Homeopatia, Acupuntura e fibromialgia

frida-01.jpg

A Homeopatia é uma das modalidades de tratamento mais eficazes no tratamento da Fibromialgia, e seu efeito é muito aumentado quando associada à Acupuntura. Na maioria dos casos de Fibromialgia há uma história de traumas e sofrimentos emocionais persistentes, e muitos autores consideram esta doença uma parte de uma doença maior, a Depressão. Assim, a Homeopatia agiria exatamente sobre a causa, que é a Depressão, reduzindo os sintomas e melhorando o humor, trazendo bem estar para o paciente. A Fitoterapia, tratamento com plantas medicinais, também tem mostrado eficácia, tendo algumas plantas atingido grande sucesso, como a erva-baleeira, embora precisem de mais estudos para comprovar sua eficácia.

O quê e onde estudei

Marcelo Guerra médico Homeopata

Sou médico atendendo em Nova Friburgo e região há 23 anos, e este ano começando também em Rio das Ostras. Trabalho com Medicina Homeopática, Acupuntura e Terapia Biográfica.
Natural de São Gonçalo (RJ), nasci em 1965, estudei no Colégio Municipal Presidente Castello Branco até a oitava série. Fiz o Ensino Médio (no meu tempo chamava-se Segundo Grau) em Niterói, no Instituto Gay-Lussac. Passei no Vestibular para Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde estudei até 1989.
Em 1987, ainda durante a Faculdade, entrei para a Escola de Psicanálise de Niterói (já destruída por sucessivas dissidências), onde participei do curso de formação de Psicanalistas por 2 anos.
Após graduar-me como médico, porém, decidi trabalhar como Pediatra, abandonando a prática de Psicanalista. Devo a meus estudos em Psicanálise a capacidade de ouvir os pacientes de forma a reconhecer o que necessita ser tratado em cada caso.
Em 1993 fui aprovado no Concurso para Título de Especialista em Pediatria, da Sociedade Brasileira de Pediatria, tornando-me Especialista em Pediatria.
Em 1990 comecei o Curso de Especialização em Homeopatia da Sociedade de Homeopatia do Estado do Rio de Janeiro (SOHERJ), mas, após 1 ano, resolvi mudar para o curso do Instituto Hahnemanniano do Brasil (IHB), a mais tradicional escola de Homeopatia do país, fundada há mais de 100 anos, onde concluí em 1993.
Em 1994 participei do Curso de Fitoterapia promovido pela AFHERJ (Associação de Farmacêuticos Homeopatas do Estado do Rio de Janeiro).
Em 1997 fui a Kathmandu, no Nepal, onde trabalhei voluntariamente no Himalayan Healing Centre, fundação assistencial mantida pelo Lama Gangchen Rimpoche. Nessa oportunidade, entrei em contato com diversos ramos da Medicina Oriental, como Medicina Ayurvedica, Medicina Tibetana, Yogaterapia, … e fiquei fascinado pelos métodos usados e resultados obtidos em muitos, milhões mesmo, de pacientes. Fiz cursos lá e, desde então, estou destrinchando os detalhes nos livros que trouxe de lá, tiro as dúvidas (que não são poucas) com os meus professores de lá (Dr. Rajesh e Dr. Koirala). Contudo, o que mais ficou desta experiência foi a forma de atender o paciente, como um ser humano integral, que sente dor, que sente emoções, que tem doenças orgânicas mas continua sendo uma pessoa que sofre.
Em 1998 comecei a Pós-Graduação em Acupuntura e Eletroacupuntura na ABACO (Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental), no Rio de Janeiro, tendo concluído em agosto de 2000.
Em 2000, participei de um curso de introdução à Antroposofia, promovido pelo GAIA – RJ (Grupo de Iniciativas Antroposóficas do Rio de Janeiro). Voltei em 2006 para fazer o curso de Fundamentação em Antroposofia.
A partir de 2000 comecei a participar do workshop do GEHSH (Grupo de Estudos Homeopáticos Samuel Hahnemann), no Rio de Janeiro, sob a coordenação do “Tio” Aldo Farias Dias, um Mestre no sentido mais amplo da palavra! E participei do workshop até dezembro de 2005. No final de 2010 retornei para o GEHSH, onde continuo sempre me atualizando nas novas tendências da Homeopatia.
Realizei o curso de Formação em Terapia Biográfica, promovido pela Escola Livre de Formação Biográfica de Minas Gerais. Com este curso, retorno às origens de minha carreira, quando meu interesse principal era a Psicanálise.
Fiz o Curso de Medicina Antroposófica em Campinas, promovido pela ABMA (Associação Brasileira de Medicina Antroposófica) em 2009 e 2010. De 2010 a 2012 fiz o Treinamento em Goetheanismo (Fenomenologia baseada nos estudos científicos de Goethe) na Associação Sagres, em Florianópolis, tendo como professora a holandesa Clara Passchier, que lecionou por muitos anos no Emerson College.
Meu trabalho é realizado basicamente em consultório médico, com Homeopatia e Acupuntura. No fundo, sou um Clínico Geral à moda antiga, que atende pacientes com as mais diferentes queixas, como alergias, doenças reumáticas, depressão, problemas emocionais, nenéns com cólica, refluxo, etc. Isto torna minha prática sempre dinâmica, porque eu nunca sei que tipo de queixa me aguarda quando eu chamar o próximo paciente, a única certeza é que eu vou atender uma PESSOA que sofre e quer solução para seus sofrimentos.
Atualmente também organizo e coordeno grupos de terapia e workshops de auto-desenvolvimento, baseados no trabalho biográfico, sozinho e com parcerias com Nina Veiga, Bettina Happ Dietrich e com Rosângela Cunha, com quem fundei o DAO Terapias.
Leciono temas de Biografia Humana nos cursos de Fundamentação em Antroposofia e de Medicina Antroposófica do GEPAK (Grupo de Estudos e Práticas Antroposóficas) em Petrópolis e Juiz de Fora.
Uma atividade paralela que venho alimentando é a escrita. Comecei escrevendo para alguns blogs que criei, como o Saúde Alternativa e Tecendo o Fio da Vida. Há 3 anos fui convidado e passei a escrever para a Revista Personare, o que me fez entrar em contato com gente do Brasil todo.

Consultórios:

Av. Alberto Braune, 99 – cobertura 5 – Centro – Nova Friburgo (RJ) – Tel: (22) 3066-1564 

Av. Governador Roberto Silveira, 557- Costa Azul – Rio das Ostras (RJ) – Tel: (22) 2760-6935