>> Temos a tendência de achar que todos os problemas emocionais têm causas psicológicas. Por conta disso, muitos leigos tentam aplicar a Homeopatia de maneira superficial, sem buscar as causas do que aflige o paciente. Este artigo abre uma nova discussão em relação à influência do orgânico sobre o psicológico. Este é um exemplo, dentre vários outros possíveis, como distúrbios da tireoide, alterações no fígado, etc.

d9mvs5w_45djnz35fg_b

Parasitas são capazes de muitas coisas para facilitarem a transmissão. Controlar a mente do hospedeiro, forçar o suicídio dele e até mesmo controlar o sexo dele. Mas em todos estes casos, o hospedeiro é um animal menor, como uma lagarta. Será que algum parasita é capaz de controlar a mente do ser humano? Será que algum parasita é capaz de influenciar a cultura humana?

Você conhece a toxoplasmose? Pode não conhecê-la, mas são grandes as chances de ter. No Brasil, 2/3 da população tem, e como ela dificilmente causa problemas, poucos sabem que estão infectados. O causador é um organismo unicelular chamado Toxoplasma gondii. O ciclo ideal do toxoplasma se dá entre o gato e o rato. Dentro do rato, hospedeiro intermediário, ele se reproduz assexuadamente. Depois do almoço, uma vez dentro do gato, o toxoplasma se reproduz sexuadamente e produz células resistentes chamadas oócitos, que vão parar nas fezes do gato e contaminam tanto o solo quanto a água. Mas o toxoplasma também é capaz de infectar outros mamíferos, de humanos a golfinhos. Graças a isso, é um dos parasitas mais distribuídos e presentes. Quando contraímos ele através do solo, água e até mesmo carne mal preparada, ele se comporta como se estivesse em um rato.

Ao nos infectar, ele se esconde em células do sistema imune chamadas células dendríticas, e as induz a circular mais no corpo. As células dendríticas têm acesso privilegiado no nosso corpo e são capazes de entrar no cérebro, levando consigo o toxoplasma, como um cavalo de Tróia. No nosso cérebro, ele se aloja em células da glia, auxiliares dos neurônios. Lá o toxoplasma se reproduz aos montes, e manipula o sistema imune para controlar sua população em ciclos de sobe e desce. Nada que cause muitos problemas em pessoas saudáveis. O problema acontece nos imunocomprometidos, como portadores de AIDS e fetos. Nestes, não há resposta imunológica que controle a população do toxoplasma e ele causa graves danos neurológicos, daí a preocupação das grávidas com a toxoplasmose.

De volta ao rato, quanto mais o toxoplasma favorecer sua transmissão para o gato, mais será favorecido pela seleção natural. E é justamente o que ele faz. Uma vez dentro do rato, o toxoplasma se dirige para o cérebro, mas uma região bem específica dele, a amígdala. A amígdala é o centro de controle das emoções do cérebro. O que ele faz lá? Ratos infectados apresentam algumas reações diferentes. Deixam de evitar locais iluminados e o mais bizarro: os ratos perdem o medo do cheiro da urina de gatos… Em laboratório, pingar urina de gato em uma câmara de um labirinto é garantia de que os ratos evitarão aquele lugar. Já os ratinhos com toxoplasma circulam perfeitamente lá dentro, chegando inclusive a ter mais interesse pelo local. Outras respostas, como o medo de tomar choque continuam intacta. Ou seja, o toxoplasma é capaz de alterar um medo específico do rato! Coisa que anos de psicanálise não fariam. Sabendo disso, cientistas começaram a se perguntar o mesmo que você deve estar se perguntando agora. Mas o toxoplasma não se comporta do mesmo jeito no ser humano e no rato?

Não que ele nos faça perder nosso medo de urina de gato, mas algumas relações intrigantes apareceram. Há uma grande correlação entre pessoas que sofrem de esquizofrenia e portadores de toxoplasma. Pior, remédios que tratam esquizofrenia, como haloperidol, matam o toxoplasma, deixando uma dúvida sobre quem o remédio trata. E isso vai além. Em uma outra pesquisa, mulheres com toxoplasmose foram identificadas como mais afetuosas, inseguras e persistentes. Já os homens, mais ciumentos e menos interessados por novidades.

Agora aumente a escala disso. Imagine países tropicais, como os países latinos, onde o solo mais quente favorece a sobrevivência dos oócitos e têm altas taxas de toxoplasmose, em contraste com países do norte europeu, com índices baixíssimos da doeça. Pense na imagem que as pessoas têm dos latinos, mulheres mais quentes e afetuosas, e homens mais ciumentos… Pense agora que metade das pessoas do mundo têm toxoplasmose e que nossa cultura é construída pela interação de todas as mentes… Será que esse parasita pode ser mais um dos milhares de fatores que influenciam nossa cultura??
Texto de Atila Iamarino, biólogo e doutorando em evolução de HIV-1. Apaixonado por ciência e viciado em informação, responsável pelo blog Rainha Vermelha do ScienceBlogs.

2 Thoughts on “Pode um parasita influenciar a cultura humana?

  1. Nossa, muito bom o seu texto…

    estou fazendo um projeto de pesquisa justamente sobre este tipo de relação. Se os parasitas somente se aproveitam de seus hospedeiros ou se eles são capazes de manipula-los.

    Façõ este trabalho com hymenolepis nana, e achei o seu texto realmente incrivel.

  2. Eu não duvido do que você está colocando sobre a toxoplasmose.
    Eu tenho a experiência própria.
    Adquiri a toxo na infâcia, gatos, tive uma febre muito forte, dor de cabeça, que foi tratado como meningite, na época não fiz exame nenhum. Eu era anemica.
    Descobri quando tinha 26 anos, porque vivia muito mal, sempre com febriculas, mal estar, tontura, problemas de fígado, e o médico pediu o exame e confirmou.
    Agora, quando passo por stress ou tenho uma gripe forte, a gripe vai embora, e eu continuo com os problemas.
    Volteio ao médico, e deu tudo estabilizado.
    mas sofro muito com o que se parece labirintite, zumbido constante, e fibromialgia, doi a nuca, pescoço, etc.
    Tomo remédios para esses problemas mas atacam o figado.
    Agora é que entra a parte que vc escreveu.
    Minha vida está boa, sou extrovertida, adoro sair, passear, tirar fotos, etc.
    Mas, sofro de uma angustia, ansiedade, medos, terriveis, alem de insonia, agitação, inquietação, que não sei de onde vem.
    Mudou o meu comportamento, porque me isolei, ninguém entende o meu problema, nem eu, só estudando e pesquisando, acredito que seja essa droga de toxoplasmose.
    Portanto, procuro conviver com isso. Mas não é fácil, porque isso não cura. E as pessoas acham que é psicologico, que eu fico pensando em doenças, que sou hipocondriaca, mas eu penso em coisas boas para fazer, só que essa coisa me pega e me derruba.
    Se puder me ajudar, ficarei feliz, porque os médicos não se aprofundam nisso. é tudo tratamento de massa. Não avaliam o que a toxo pode afetar. No meu caso, o sistema nervoso, fígado, etc.
    Parece que estou lutando com um inimigo oculto.
    Cheguei a pensar que fosse algo espiritual.
    Mas pelas febriculas, acredito ser mesmo da toxo, pois a cabeça e pescoço, ficam muito quentes, quando ela fica reativa, e por isso, as pessoas acham que eu não tenho nada, porque fico dias bem, e dias muito mal, sozinha, fazendo tratamentos naturais para fortalcer o sitema imunologico.
    A idade também ajuda a pior, principalmente no inverno.

Post Navigation